sábado, 26 de janeiro de 2013

A galinha preocupada



No sítio do nhô Araponga a galinha Ana admirava a ninhada de pintinhos que tinham acabado de nascer, eram todos amarelinhos, porém não demora a mamãe galinha percebe que tem um filhotinho seu escondidinho lá no cantinho, diferente dos outros ele era branquinho, branquinho, mamãe galinha acolheu o filhotinho diferente em baixo de suas asas com carinho, porém a galinha preocupada que o pintinho se sentisse diferente dos irmãos pintou o filhote de amarelinho.
Pronto! Agora estava tudo perfeito e a galinha Ana toda orgulhosa saiu para passear com seus pintinhos, porém no caminho o inesperado aconteceu, foram surpreendidos por uma chuva de verão e o segredo de mamãe galinha foi desmascarado.
Foi aquela algazarra, aquela gritaria com os pitinhos correndo pra se proteger embaixo da asa de mamãe galinha.
O pintinho branquinho gritava, parado em meio a chuvarada.
__ Mamãe, mamãe! Eu estou me desmanchando! Chorava o pintinho branquinho assustado percebendo que estava desbotando.
O desespero do pintinho desbotado chamou a atenção da bicharada do sítio. Logo, a confusão era geral e todos queriam saber por que o pintinho estava perdendo a cor.
Mamãe galinha muito sem graça explicou que na verdade o seu filhote tinha nascido branquinho, branquinho, que ela mesma o tinha colorido de amarelinho com medo que ele ficasse complexado.
A marreca estressada pula na frente da galinha com as duas mãos na cintura e vai logo acusando.
__ Se pintou o seu filhote de amarelo é por que tem vergonha de ter um filho diferente!
__ Não, não, em absoluto, amo o meu filhote do jeitinho que ele é, se fiz o que fiz foi para protegê-lo.
E para surpresa de mamãe galinha foi o próprio pintinho que veio ao seu socorro.
__ Não tem importância mãezinha, não me sinto diferente dos meus irmãos. Veja! Tenho duas patinhas! Mostrava o pintinho as duas patinhas. Tenho duas asinhas! Mostrava o pintinho as asinhas. Um bico e dois olhinhos! Onde está a diferença, na cor das penas? A senhora acha que isso me faz diferente dos meus irmãos, mamãe?
__ Claro que não filhote, te amo da mesma forma!
__ E se eu não tivesse uma das patinha e não pudesse andar? E se eu fosse cego e não pudesse enxergar, me amaria da mesma forma, mamãe?
__ Sim, meu querido! Eu te amaria da mesma forma!
O pintinho branquinho agradecido correu ao encontro de mamãe galinha, se aconchegando embaixo de suas asas.
__ Hiup! Grita o filhote satisfeito. Sou o pintinho diferente mais feliz desse mundo! O mais importante nessa vida mamãe é ser amado e ter alguém para amar. Quando isso acontece às diferenças se tornam tão pequenas que quase não se nota, só o fato de você querer me proteger já diz o tamanho do amor que você mamãe sente por mim, motivo nenhum eu tenho para me revoltar, apenas para te agradecer!
Alguns animais que assistiam a cena de mãe e filho choravam emocionados.
O sabiá se aproxima, comovido.
__ Muito bem, mamãe galinha! Apenas quem tem um bom coração consegue amar acima das diferenças. Outra mãe no seu lugar era capaz de ter rejeitado esse pintinho por ter nascido diferente dos demais, você agiu como uma verdadeira mãe, isso se chama amor incondicional!
A marreca torna a entrar na conversa, visivelmente irritada.
__ Sabiá! Eu não vejo no que essa aí fez de especial? Qualquer mãe faria igual. Afinal, mãe vive mesmo para proteger os seus filhotes! Diz a marreca, com desdenho.
__ Não é bem assim dona marreca, infelizmente nem todos os pais conseguem amar seus filhotes do jeito que eles são. Já vivi e viajei muito, presenciei muitos casos de pais que abandonam suas crias por esses terem nascidos com alguma deficiência. Por vergonha ou orgulho ignora a prole a própria sorte e isso é muito triste, tanto para o filhote que cresce sem nenhum afeto, tanto para os pais que fogem da responsabilidade. O filho belo, perfeito, estudioso, obediente, é mais fácil de ser amado, louvável são os pais que amam seus filhos, apesar de suas deficiências físicas, mentais e até mesmo com diferença de caráter. Pais e mães também têm defeitos dona marreca, por isso eu digo que esse pintinho branco tem muita sorte de ter uma mãe como dona Ana, que consegue amar acima das diferenças. Esse é o verdadeiro amor angelical, amor de pais para filhos é sublime! Não há amor igual. É a própria essência do amor divino sendo assoprado sobre a humanidade!



Dilma Lourenço Moreira

2 comentários:

  1. Está ai o motivo de 500 seguidores, com esses seus textos encanta e canta o espirito das pessoas que por aqui passam, Eu sou uma dessas pessoas; não tenho afinidades com a língua portuguesa, mas tenho afinidades com o meu semelhante e você me faz através de suas edições voltar no tempo em que morei em um orfanato (LAR DAS MENINAS MARIA AMÉLIA)
    Obrigada por ter uma página na internet onde apresenta a alegria e o incentivo para a leitura de nossos pequeninos; deixo um beijinho no seu coração,
    Nicinha.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada Nicinha pelo teu comentário, você não imagina a minha satisfação quando recebo um comentário,é a prova que realmente alguém leu meu trabalho. A felicidade é realmente enorme.
    Bjs. e volte sempre.


    Dilma

    ResponderExcluir

Meu amigos no diHITT

Loading...