sábado, 2 de fevereiro de 2013

Almas de adolescentes



Olha lá o senhor Manuel sentado todo borocochô no banco da praça. Quanta tristeza se esconde em seu olhar, agora ele está sempre assim, com o pensamento longe, não se importa mais com o burburinho que corre a sua volta.
Em casa também está assim, a sala está cheia de filhos e netos, mas o senhor Manuel está sempre ausente, não conversa mais, sempre triste pelos cantos. Se a filha coloca a comida na mesa ele come, mal olha o que tem no prato, lentamente vai mastigando todo alimento sem demonstrar nenhuma emoção, em seguida sai suspirando profundamente, sentindo o peso da melancolia volta ao banco da praça, os pássaros cantam animadamente ao seu redor.
Por algum momento o senhor Manuel desperta do torpor que se encontra, lembrando-se do tempo de criança quando caçava os passarinhos com estilingue na floresta, esse pensamento o faz sentir dor na consciência e lamenta o mal feito, pensando alto.
__ Quando se é moleque é capaz de fazer cada crueldade, onde já se viu matar a pedrada um animalzinho inocente como esse.
O homem entristecido, com lágrimas nos olhos continua admirando o canto da ave, nunca admitiu que seus filhos fizessem tal coisa, seus netos idem. Continuava pensando alto Manuel.
__ Graças a Deus eles são de uma nova geração mais esclarecida, aprenderam que nunca se devem maltratar os animais.
 Não demora Valmir, um amigo de longa data se aproxima.
__ Como vai Manoel? Falando com seus botões?
Esse se limita a responder, com uma careta.
__ É impressão minha ou você anda meio pra baixo, amigo?
__ Valmir! Ando mesmo é cansado dessa vida!
__ Mas por que Manuel, o que te falta?
__ Pois é justamente isso mesmo, não me resta nada mais a fazer nessa vida!
__ O que é isso Manuel, parece que você está no meio de uma crise de depressão?
__ Depressão? E que diabo é isso?
__ É justamente esse desanimo que você está sentindo! Uma tristeza muito grande que se apossa de nossa alma! E se não se cuidar amigo, termina indo mais cedo pro buraco.
O senhor Manuel com o olhar ao longe responde deixando cair uma lágrima.
__ Pois é isso mesmo que eu quero, morrer. Minha família não liga mais pra mim, não tenho mais mulher, tudo que me resta são esses malditos comprimidos, me sinto empanturrado de tantos que já tomei.  Se de um lado eles me salvam, do outro me prejudicam. Tem dia que amanheço com vontade de jogá-los todos fora, assim a morte me abraça mais cedo.
__ Calma Manuel! Você agindo assim está indo contra a lei de Deus, isso se chama suicídio, lembra-se do mandamento não matarás, se foi Deus quem te deu a vida, só ele poderá tirar. Não se preocupe amigo, estou aqui para te ajudar! Vou te levar em uma reunião que frequento há anos, ou você acha que eu também nunca tive depressão?
__ Pra mim isso é uma novidade Valmir, você com depressão? Sempre te vejo alegre, sorridente, vive rodeado de amigos, contando piadas.
__ Hoje sou assim, depois que me curei da depressão sou um novo homem. Quando completei 80 anos coloquei na cabeça que a minha vida estava no fim, dividi os bens que tinha entre meus filhos, zerei minha conta no banco, tudo que restou para administrar era a minha aposentadoria que não era lá grande coisa, pensava justamente igual a você, que eu já tinha feito de tudo nessa vida, que nada mais me restava, até meu túmulo deixei pronto ao lado da minha cara metade que me deixou há alguns anos, só faltou mesmo comprar o caixão, mas voltando ao assunto, há alguns anos atrás passei por uma depressão brava, minha filha me vendo em toda aquela tristeza quase se desligando do mundo me levou a um geriatra, tomei remédios por alguns meses, me curei da depressão diagnosticada e por recomendação do próprio médico passei a frequentar reuniões onde ouço palestras de autoajuda e otimismo, é um lugar animado e feliz, onde as pessoas se reúnem trocando suas experiências de vida.
Manuel olha pro amigo, desconfiado.
__ Valmir! Você está falando da reunião da terceira idade? Um bando de velhos barulhentos que acham que são adolescentes?
Valmir fica penalizado com a situação do amigo.
__ É meu amigo, você está mal mesmo, amanhã mesmo vou te levar em uma consulta com o meu geriatra.
__ Não precisa Valmir! Não sinto dor nenhuma, é apenas um cansaço, desanimo, coisa de velho!
__ É aí que você se engana Manuel, depressão não atinge apenas velho, atinge crianças, jovens homens e mulheres de todas as idades. É uma doença grave que pode te levar a morte se você não procurar ajuda. O que você prefere? Ficar se lamentando aí nesse banco até que a morte te leve, ou viver o pouco de vida que te resta, com qualidade?
Valmir faz uma pequena pausa para analisar o efeito de suas palavras, no entanto esbarra com o amigo apático sem expressão no olhar.
__ Manuel! Manuel! Está combinado assim, amanhã há esta mesma hora passo aqui para te acompanhar ao geriatra.
Valmir se despede quando ouve Manuel dizer, rancoroso.
__ Na consulta eu até vou! Agora você nunca vai me ver nessa reunião de velhos bobos, parecem uns palhaços fingindo que são jovens! E não venha dizer você também que a idade está no espírito, pra mim isso é papo de velho querendo justificar o seu assanhamento.
Valmir não resiste, solta uma gostosa gargalhada diante da carranca de Manuel.
O tempo passou e hoje vamos encontrar um Manuel diferente, sentado na mesma praça em grupo de amigos. Mais corado, mais falante, feliz com a vida.
O amigo Valmir se aproxima.
__ Manuel! Que bom revê-lo!
__ A satisfação é toda minha, amigo Valmir!
__ Vejo que você está curado da depressão.
__ Sim! Com os remédios e mais o acompanhamento psicológico não sofro mais dessa doença, voltei a conhecer os prazeres da vida, aprendi a viver o agora. Na minha idade o importante é o presente, o meu futuro é construído a cada amanhecer. Sou grato a Deus por cada suspiro dessa vida, de hoje em diante passarei a usar esse pouco tempo que me resta com mais sabedoria. Quando se é jovem achamos que temos o mundo aos nossos pés e saímos atropelando tudo e todos que encontramos pela frente com a ânsia de construir o futuro, hoje, parando para pensar me vejo um jovem tolo desperdiçando a verdadeira essência da vida que é simplesmente ser feliz, a busca dos bens materiais se torna um foco diante dos olhos dos jovens, termina que ficam meio que isolados do mundo, trancafiados, atados em seu próprio interior.
__ Você tem razão Manuel, de tudo fizemos nessa vida. Umas certas, outras erradas, mas enfim é passado e se ainda nos resta um pouquinho de vida é porque fomos abençoados por Deus, vamos aproveitar esse tempo para corrigir nossas atitudes erradas. Olha só que dádiva, tempo para sanar nossas falhas, quando muitos morrem ainda jovens sem tempo de sequer pedir perdão aos seus desafetos, chegar à idade senil não é um castigo como muitos pensam, é uma benção! Sendo assim, só nos resta divertir.
Valmir, feliz com a recuperação do amigo dá um forte abraço em Manuel.
__ Falando em se divertir Manuel, hoje, na associação da terceira idade tem baile, o tema é os anos 60. Lá é muito divertido, vamos?
Manuel olha pro amigo sorrindo sem graça.
__ Me desculpe Valmir, mas acho que já passei da idade, um bom livro já me diverte.
__ Há sim, nada melhor que uma boa leitura! Mas de vez em quando devemos viver as emoções para nos sentir vivos. Vamos lá Manuel, é só um baile! Para com esse preconceito de achar que grupo de terceira idade são idosos fingindo que são adolescentes, são apenas senhores e senhoras aproveitando a vida. Muito justo, depois de passarem a vida toda ocupados e preocupados com a família, hoje eles saem para se divertirem com a certeza do dever cumpridos, cientes que não são  mais adolescentes e sim pessoas idosas que estão aproveitando a chance de serem felizes!
__ Mas o que tanto comemoram?
__ A saúde, a vida! Muitos até mais novos que eles estão paralíticos e jogados em uma cama dependendo da caridade humana. Se não é isso, é a memória que está perdida num buraco negro e profundo, só o fato de alguém não se encontrar nesse estado já é motivo de comemoração sair por aí sorrindo, viajando, dançando com a vida.
__ Tá bom Valmir! Vou nesse baile apenas para te agradar.
__ É isso aí amigo!  Somos aposentados, filhos criados! Só nos resta cair na pista e nos divertir até o por do sol.
No dia seguinte Manuel e o amigo se encontram no salão. Valmir está fantasiado de Elvis Presley.
__ E aí amigo, não quis por nenhuma fantasia?
__ Estou fantasiado de mim mesmo, ora bolas! Responde Manuel, irritado com o volume da música.
__ Se solta Manuel, o salão está pegando fogo.
__ Fogo, fogo! Grita Manuel procurando a porta de saída.
__ Calma homem! É maneira de falar! Relaxa e se diverte.
__ Como se isso fosse possível! Essa música está alta demais, pra todo canto que olho é um assombro, essas máscaras são feia demais, estou assustado!
Conclusão: Manuel tanto reclamou que Valmir o levou para casa.
__ Desculpe amigo, estraguei a tua noite! Esse é o seu jeito de se divertir, não o meu! Eu tenho outro estilo de vida, sou pacato, tranquilo, gosto de me sentir em paz, estar bem comigo mesmo! Não preciso de folia, agitação para me divertir. Felicidade pra mim é sentir tranquilidade interior, espero que você não fique bravo comigo!
__ De forma alguma amigo! Respeito o seu jeito de ser, mas agora me dá licença que vou voltar para o baile. Sou da opinião que não existe idade pra se divertir, você tem razão, sou um velho ainda com emoções de adolescente e pretendo gastar esse sentimento até o fim, não quero pular nenhuma etapa do meu crescimento, mas quando eu crescer vou querer ser igualzinho a você!
Diz Valmir sorridente, abraçando Manuel com seu jeitão peculiar.



                        Dilma Lourenço Moreira

Um comentário:

  1. Oi Dilma, ótima viagem me proporcionou neste lindo texto, que conta esta bonita história, de alguém, de mim, de ti, nós todos.
    Emocionante amiga!

    ResponderExcluir

Meu amigos no diHITT

Loading...