segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

A ratinha bailarina






A ratinha Fabiola estava bastante nervosa no camarim. Aquela era a sua primeira apresentação como bailarina profissional, o seu parceiro de dança era o internacional Brian Lyon, o melhor bailarino dos últimos tempos. Claro que para Fabiola chegar até ali era porque ela também tinha talento, mas coitadinha, estava tremendo dos pés a cabeça, mal estava conseguindo falar. Quando Brian Lyon chegou em nosso país foi aquele acontecimento, rádios, internets, jornais e teve, só se falava no bailarino mais fantástico do mundo. Fabiola era uma ratinha simples criada no interior por uma tia avó, que fez de um tudo para pagar suas aulas de balé.

__ Tia Amélia, que saudades da senhora! Pensou alto, a ratinha. Se a senhora estivesse aqui para me ajudar!

__Você me chamou, querida?

__ Tia Amélia, não acredito, que surpresa!

__ E você acha que eu ia perder a estréia da bailarina mais famosa desse século?

__ Hi, hi, hi, só a senhora mesmo tia, pra me fazer sorrir nesse momento, estou uma pilha, o teatro está lotado, acho que não vou conseguir dar um passo!

__ Calma meu bem, respire fundo! É normal que esteja nervosa, tudo vai dar certo! Lembre-se, a dança faz parte de você, está em sua alma.

__ Há tia, que bom que a senhora está aqui! Olha como as minhas mãos estão geladas e se eu não conseguir? E se eu for um fracasso?

__ Querida, você e o Brian já não ensaiaram? Então agora é só se deixar levar pela música, tenho certeza que o show vai ser um sucesso. A propósito, a caminho daqui dei uma olhado no camarim do Brian, eu achei ele um rapaz espetacular, bonitão mesmo!

Fabíola bem sabia o que a tia queria dizer, ela não perdia a esperança de vê-la casada.

__ Há tia, que ilusão! Somos de mundos diferentes, ele é uma grande estrela do balé, enquanto eu estou apenas começando.

__ Isso é uma questão de opinião, para mim você vai ser sempre a melhor.

Uma leve batida na porta e um rosto sorridente aparece, é Brian oferecendo o braço à bailarina, fazendo pose de cavalheiro, conduzindo-a ao palco.

__ Vamos lá princesa, está na nossa hora.

A tia Amélia abraça a sobrinha com força, desejando boa sorte.

__ Relaxa filha, você é a melhor, tenho certeza que vai arrebentar, vou assistir da coxia, estarei aqui quando você voltar.

Enfim, as cortinas se abrem, Brian e Fabiola brilham diante da platéia, os dois fazem um par perfeito, deslizam suavemente no palco fazendo a platéia sonhar. A ratinha estava encantada, parecia flutuar nos braços do bailarino que a conduzia feito uma pluma, rodopiando sobre estrelas brilhantes incandescentes, ele realmente a fazia se sentir uma princesa, nunca teve um parceiro que a deixasse tão à vontade, o nervosismo ficou lá atrás. A ratinha bailarina viajava na música, mergulhada nos olhos do seu condutor, esse, com um sorriso encantador enfeitiçava o público arrebatado pelo clamor. Quando o espetáculo terminou, foram aplaudidos de pé, ovacionados com vigor, a platéia pedia bis deixando todos os artistas no palco, emocionados.

Brian também estava radiante de felicidade, abraçou Fabiola, emocionado   

__ Muito obrigada Fabíola, você foi ótima, maravilhosa, perfeita!

__ Desse jeito você me encabula, Brian. O astro do show é você.

__ Acontece que eu não me apresentei sozinho, somos uma dupla e o espetáculo só foi um sucesso, porque trabalhamos em conjunto. Gostei tanto, que tenho um convite a te fazer, a partir de amanhã viajarei com a minha turnê por todo pais e gostaria que você fizesse parte da minha equipe, você aceita?

A ratinha do interior mal conseguia respirar, com o impacto da surpresa.

__ Uma turnê com a sua equipe?

__ Sim! Você se saiu muito bem como substituta da Alice, minha parceira de palco e noiva. Hoje, por exemplo, ela não chegou a tempo do espetáculo, porque está cuidando dos preparativos do nosso casamento, mas confesso que você me surpreendeu, gostei muito da sua apresentação, aliás, olha a Alice chegando aí! Disse Brian, sorrindo.

__ Não precisa nem me apresentar, peguei o final do espetáculo, ela é muito boa mesmo, espero que seja a minha rival, apenas no palco.

__ Gostei tanto meu bem, que convidei a Fabiola a nos acompanhar na próxima turnê.

Alice, com um sorriso amarelo, disse:

__ Que pena querido, a equipe já está completa.

__ Querida, você mesmo viu que a Fabiola é ótima bailarina, acho que vale apena abrir uma exceção, assim você se dedica mais aos preparativos do nosso casamento, e sabe de uma coisa querida, está decidido, a Fabiola está contratada, assim você não fica sobrecarregada e sempre que você precisar se ausentar, ela te substituí.

__ Olha Brian, eu não sei se devo aceitar! Falou a ratinha timidamente, percebendo a má vontade de Alice.

__ E porque não, garota! Vai ser uma ótima oportunidade para sua carreira.

__ Isso, se ela tiver a chance de mostrar o seu talento! Comentou Alice, deixando claro, a antipatia por Fabiola.

E continuou a noiva, com desdém.

__ Hoje ela apareceu, porque dançou ao seu lado, que é uma estrela, mas esse lugar já tem dona, que sou eu!

Brian fingiu não entender o jeito enciumado da noiva, enquanto tentava convencer a ratinha bailarina a aceitar o seu convite.

Fabiola estava lisonjeada com o convite do astro, afinal não era todos os dias na sua profissão que surgia oportunidades como aquela, ainda mais para entrar na equipe de um bailarino de nome renomado, como o de Brian Lion. Apesar dos olhares atravessado de Alice, ela resolve aceitar, com as faces coradas pela emoção, decidiu.

__ Vai ser um grande prazer fazer parte de sua equipe, Brian Lion!

__ Boa garota! Seja bem-vinda a nossa companhia de balé!

A ratinha estava muito feliz e correu pra contar a novidade para tia Amélia.

No dia seguinte Fabiola partiu em turnê com a companhia de Brian, só que tinha alguém que não estava gostando nada da concorrência. Ela não estava gostando do jeito que o noivo olhava pra nova bailarina e assim Fabiola ganhou uma inimiga.

Alice se pendurou no pescoço do noivo, dia e noite, sem contar que fazia de tudo pra apagar a luz, da ratinha do interior, colocando-a na última fila de bailarinas, para que ninguém percebesse o seu talento. Todos na companhia percebiam a rivalidade entre as duas, até que um dia, no meio do espetáculo Brian foi obrigado a trocar sua companheira de costume Alice, por Fabiola, por questões de saúde. Essa, não pode retornar ao palco no segundo ato, acometida com fortes dores no estômago, passando a ratinha do interior assumir o seu lugar, fazendo um sucesso arrebatador, arrancando muitos aplausos da platéia, que veio em delírio ao fim do espetáculo, como há muito tempo não acontecia.

Alice ficou furiosa e queria despedir Fabiola, no mesmo dia. Brian não permitiu e disse mais, que daquele dia em diante a ratinha do interior seria sua parceira permanente no palco.

Alice possessa de raiva, disse:

__ Se eu não for a tua parceira no palco, também não serei mais a tua noiva.

__ Alice, por favor, não seja criança! É para o bem da companhia, você Anda estafada, estressada, tanto que hoje até passou mal.

__ E como quer que eu me sinta! Você quer me trocar por essa rata do interior, depois de anos fazendo parceria comigo?

Alice saiu batendo as portas do teatro, chorando, deixando o Brian perplexo diante da atitude da noiva.

Desse dia em diante, Fabiola ao lado de Brian se tornou uma estrela, fazendo grande sucesso por onde se apresentavam. A ratinha agora era conhecida como uma das mais talentosas bailarinas dos últimos tempos. Alice, apesar do protesto aceitou o conselho do noivo e agora não mais dançava, ficando apenas nos bastidores organizando o grupo de bailarinas, mas continuou alimentando um ódio mortal por Fabiola, esperando uma oportunidade de lhe ferir, porém esse veneno só estava prejudicando a si próprio, andava desatenta, sem concentração, atrapalhando o balé, em vês de coordenar. Brian, por diversas vezes teve que lhe chamar atenção e estava seriamente pensando em lhe afastar de uma vez do show, no entanto a bailarina do interior saía em sua defesa, pedindo para que ele tivesse paciência com a noiva. O pior agora era que Alice estava se tornando alcoólica, andava pelos corredores do teatro, bêbada, dizendo que ia quebrar as patas de certa rata intrometida, isso foi a gota d água. Brian terminou perdendo o controle com a noiva, pedindo que ela se retirasse de vez da companhia de teatro, uma vez que ela estava atrapalhando o grupo. Quando Fabiola soube do ocorrido, penalizada foi procurá-la para oferecer a sua solidariedade, afinal estavam todos em um país estranho, longe de casa.

__ Alice, você está bem? Pergunta Fabiola, batendo na porta do camarim, de leve.

__ O que você acha? O que quer aqui? Me ver arrastada, no chão? Pronto já viu, agora desinfeta daqui!

__ Alice, não precisa ser assim, tem lugar para nós duas, aqui na companhia!

__ Nós duas dividindo o mesmo palco, nem pensar, sem contar que também está se apossando do meu noivo.

__ Não é verdade! Eu e Brian somos apenas colegas de profissão. Alice! Estou preocupada, você tem para onde ir?

__ O que te interessa? Diz Alice, com os olhos carregados de ódio. Agitada, se dirige até a porta examinando de uma ponta a outra o corredor, percebendo que esse estava deserto agarra Fabiola de surpresa pelas orelhas, surrando-a violentamente, fugindo em seguida.

A Ratinha bailarina acorda no hospital, com Brian ao seu lado, preocupado, segurando em sua mão.

__ Que susto você nos deu, garota! Como aconteceu isso? Você viu quem te atacou?

__ Não! O corredor estava escuro.

__ Tem certeza que isso não foi obra da Alice?

__ Já disse Brian, eu não vi nada!

__ A polícia está ai fora pra tomar o seu depoimento.

Os policiais entram enchendo a ratinha de perguntas, mas ela confirma o mesmo que disse a Brian, que não tinha visto o rosto do seu agressor.

Antes do seu companheiro de palco se retirar, Fabiola faz um pedido.

__ Brian, amigo! Eu nem tão cedo vou conseguir dançar, de forma que você vai precisar de outra parceira, sendo assim, posso te pedir um favor? Chama Alice de volta pra companhia, ela é uma ótima dançarina, temo que ela se perca na bebida, precisamos ajudá-la.

O astro dos palcos olha para Fabiola, com carinho.

__ Você quer ajudá-la, mesmo sabendo que o desejo dela é te prejudicar?

__ Brian, o estrelato tem lugar para todos, uma hora a Alice vai perceber, que ninguém derruba quem tem talento.

Passa alguns dias e um toque de leve na porta se faz ouvir

Era Alice.

Ficou um tempo em silêncio, de cabeça baixa, sem coragem de olhar nos olhos de Fabiola.

A ratinha resolve quebrar o gelo.

__ Fiquei sabendo que voltou a dançar com Brian, Alice, parabéns!

__ Por que você foi boa comigo? Se fui eu que te coloquei nessa cama? Fui egoísta o tempo todo com você e mesmo te agredindo você não me denunciou e quando pensei que tudo estava perdido, ainda devolveu a minha vida de volta, pedindo ao Brian pra que eu retornasse ao palco, brilhando de novo ao lado dele. A estas horas eu deveria estar presa, sendo deportada para o nosso país.

Fabiola olhando nos olhos da companheira de profissão, diz carinhosamente.

__ E desperdiçar todo esse seu talento? O que eu ia ganhar com isso, Alice? Você precisa ser mais confiante e menos egoísta, o sol não nasce todos os dias apenas para te iluminar, ele brilha para todos. Muitas vezes somos o nosso próprio algoz. Pare de olhar para o seu próprio umbigo, experimenta olhar um pouco a sua volta, verá o quanto a vida é ampla.

__ Me perdoe, Fabíola! Fui fraca e deixei me levar por ciúmes, inveja, possessão. Desejo que volte logo a dançar, já avisei ao Brian, ficarei em seu lugar apenas o tempo de você se recuperar, depois vou embora tentar refazer a minha vida em outro lugar, sou talentosa e tenho certeza que um dia a minha estrela vai voltar a brilhar! Peço que me perdoe! E mais uma vez, muito obrigado pelo o novo recomeço.

__ Fico muito feliz Alice, que você finalmente despertou, afinal, o nosso maior sucesso, é brilhar como pessoas!


             
              

                             Dilma Lourenço Moreira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meu amigos no diHITT

Loading...