sábado, 14 de janeiro de 2012

Luz interior




Dalva é uma estrelinha do mar, em noites claras e estreladas ela se deitava na areia ainda morna da praia e ficava a se perguntar, tentando puxar pela memória, que momento da sua vida tinha caído do céu, vindo parar no mar? Suspirava a estrelinha, inconformada com seu destino.

E continuava a estrelinha a se lamentar, falando consigo mesmo:

__ Lá no céu deve de ser melhor de se viver do que aqui no mar. Aqui é cheio de animais estranhos, querendo engolir uns aos outros. Sinto que aqui, não é o meu lugar! Soluçava a estrelinha baixinho, desejando voltar para o céu, quando ouve a avó lhe chamar.

__ Dalva, vem dormir, já é tarde! O que tanto faz aí sozinha olhando pras estrelas?

__ Vovó! Quando foi que caímos lá do céu?

A vó Estela acha graça na pergunta da neta e ri descontraída.

__ Então você acha que somos como aquelas estrelas do espaço e caímos no mar?

__ E não foi assim, vovó? Nós somos, ou não somos estrelas?

__ Somos estrelas marinhas! Nascemos no fundo do mar, para chegarmos a ser uma estrela como aquelas que você está vendo lá em cima bem pertinho do céu grandiosa e cheia de luz, vamos ter que aprender ainda muita coisa sobre a vida.

Tonhão, o caranguejo, se junta a elas e vai logo dizendo:

__ Se você não está satisfeita que é uma estrela do mar, imagine eu, que além de morar em tocas escuras, ainda ando de lado. Você não sabe a luta que tenho que enfrentar pra fugir dos predadores.

Vovó Estela torna a dizer, sorrindo.

__ E uma das primeiras lições do nosso aprendizado em rumo ao caminho das estrelas do céu, é nos aceitar do jeito que somos, cada um tem a vida que merece, ou que convém melhor ao seu crescimento moral.

__ A senhora quer dizer vovó, que se nasci aqui no mar é porque ainda não tenho merecimento pra ser uma daquelas estrelas brilhosa lá do céu? Que eu saiba sempre me comportei bem e nunca fiz mal a ninguém!

__ E eu, então se adiantou o caranguejo na defensiva. Ao contrário, sou uma vítima, vivo fugindo dos predadores que querem me devorar.

Vovó Estela olhando nos olhos de seus ouvintes, interroga:

__ E o bem, vocês já fizeram? Ninguém chega ao estágio radiante de uma estrela do céu, sem antes não ter praticado a caridade. Para se chegar ao nível de uma estrela do céu, antes precisa se doar ao próximo, a luz que brilha tem que vir do seu interior.

__ A senhora quer dizer, vó Estela. Pergunta o caranguejo, preocupado. Que não basta ser bonzinho! Não basta ficar quietinho na minha toca, me mantendo fora do perigo? Tenho que interagir com o mundo, ser sociável com todos, a minha volta, auxiliar o meu próximo, porque só com a prática do bem, se chega à luz interior?

__ Sim! Tonhão, praticando a caridade, acenderemos a nossa luz interior!

A estrelinha Dalva apreensiva, também quer saber.

__ Então, se eu praticar a caridade, eu consigo essa luz interior, vovó?

__ Sim, mas tem que ser uma ajuda despretensiosa, sem esperar nada em troca. Na verdade, só se chega a essa luz quem se doa por inteiro ao próximo, mas para obter essa atitude, é preciso primeiro aprender a se amar, se aceitar do jeito que você é. Não importa como você é fisicamente, o importante é o que você pode fazer para melhorar o seu interior. O que eu quero dizer, minha neta que na verdade não adianta você ficar aí todas as noites olhando para o céu se lamentando e nada fazer para modificar a sua situação, se você quiser se igualar as nossas irmãzinhas estrelas lá do céu, essa mudança tem que vir de dentro para fora, até o caranguejo Tonhão já entendeu que se ele ficar escondido dentro de sua toca com medo de se arriscar, nada em sua vida vai mudar e que mesmo com esse seu jeito torto de caminhar, ele vai para onde desejar, sendo assim somos livres para tomar o caminho que escolhermos, é você que decide que tipo de estrela que você quer ser. Todos nós temos uma luz interior, basta seguir o foco, para a luz aparecer!

O caranguejo sai na frente todo torto, disparando em uma corrida, gritando para a amiga:

__ Vamos rápido, estrelinha! O que estamos esperando para começar logo a fazer o bem!

Vovó Estela e a estrelinha Dalva, de longe riam da corrida estabanada do caranguejo Tonhão, que assim mesmo todo torto, corria em busca do seu foco de luz.




                         Dilma Lourenço Moreira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meu amigos no diHITT

Loading...