sábado, 26 de novembro de 2011

Nota de agradecimento


Olá pessoal!

Fiquei muito feliz e grata com o apoio de vocês, em resposta ao meu último esclarecimento, pois pra vocês eu passo sempre o meu melhor.

Quando estou escrevendo uma história, procuro sempre levar ao leitor uma narrativa com um conteúdo de fundo moral, sendo assim, eu não poderia deixar passar um comentário com esse peso, referente a minha pessoa, mas aproveitando esse gancho vou contar para vocês a catástrofe que uma calúnia pode causar na vida de uma pessoa.

Dudú era um garoto muito mentiroso, gostava de espalhar falsos boatos com o nome dos outros, não se importando com a imensidão de sofrimentos que este ato inconseqüente causava na vida das pessoas, que ele irresponsavelmente caluniava.

O tempo passou e hoje Dudú já é um rapaz, mas continua o mesmo mentiroso, se divertindo, fazendo comentários maldosos com a vida dos outros.

Certa vez, Dudú estava em uma balada acompanhado com a galera da faculdade. A festa estava bombando, era noite de música eletrônica, aquelas que parecem nunca ter fim, jogos de luzes, dançarinos na pista, meio alucinados, salão lotado. A turma toda rindo, se divertindo, até que Dudú, apelidado como boca maldita, não conseguiu ficar com a língua dentro da boca, fazendo um comentário calunioso a respeito da vida particular da amiga Maria, os dois trabalhavam juntos no mesmo escritório. A jovem Maria, feliz contava que aquela noite estava vivendo um momento especial, pois tinha recebido uma excelente promoção de trabalho, Dudú não se conteve e soltou uma estrondosa gargalhada se desfazendo da competência da amiga, desferindo uma tremenda blasfêmia, acompanhado com risinhos irônicos, que era muito fácil se promover, quando se tem um caso com o patrão.

 Todos na roda de amigos ficaram chocados diante do veneno medonho de Dudú, no entanto o que o rapaz não sabia era que na turma de amigos estava presente a filha do patrão e melhor amiga de Maria. O seu nome era Lidia e esta, muito aborrecida pede uma satisfação de Maria sobre esta questão ali mesmo na frente de todos da turma. As palavras duras de Lidia soou como o efeito de uma bomba sobre a jovem, parecia combinado, justo nessa hora, até o som eletrônico tinha parado, Maria, pega de surpresa diante do comentário mentiroso se vê envergonhada diante dos olhares malicioso de alguns amigos que se encontravam na mesa, sem contar com o resto do povo da festa, que a seu ver sorriam debochando de sua cara.  

A jovem tinha a face rubra, sentindo o chão fugir embaixo de seus pés. Em prantos, jura gritando que é mentira de Dudú. O clima a sua volta fica pesado, Maria, atordoada sente a cabeça rodopiar ouvindo risinhos abafados em suas costas. Ela sendo uma menina meiga, tímida, recatada sai correndo do salão chorando embaixo de vaias, vítima da maldade de Dudu.

A jovem, quando chegou em casa, ainda nervosa, desarvorada, deprimida com a situação encontra um vidro cheio de comprimidos para dormir sobre a mesa da cozinha e em um momento impensado toma o vidro inteiro de soníferos. Sorte que Maria foi socorrida a tempo por seus pais, acordando com o barulho do seu corpo caindo sobre o chão frio do mármore. Assustados, levaram a filha imediatamente para o hospital mais próximo, conseguindo salvar a vida da jovem.

No dia seguinte Maria recebe uma visita, era Dudú.

Esse chorava feito uma criança, abraçada a Maria lhe pedindo perdão.

Quando o jovem mentiroso recebeu a notícia que Maria tinha atentado contra a própria vida, por causa de seu falso testemunho e teria morrido se não fosse os pais agirem rápido, esse ficou muito envergonhado de sua atitude.

Depois desse quase trágico dia, Dudú finalmente entendeu o poder que tem as palavras. Essas têm o poder de salvar uma pessoa, mas também podem matar.

Por isso é preciso tomar muito cuidado antes de sair por ai abrindo a boca, soltando cobras e lagartos, desferindo as pessoas com palavras, como se essas não tivessem sentimentos.



                             Dilma Lourenço Moreira 



Um comentário:

  1. Parabéns pela dinâmica da história.
    A mentira é um mal que habita no meio de pessoas insensíveis.

    ResponderExcluir

Meu amigos no diHITT

Loading...